Florianópolis


mapa do estado recupera a navegação

Banhada por 42 praias, Florianópolis enche os olhos de quem a visita. Localizada na Ilha de Santa Catarina, a capital do Estado de Santa Catarina completa sua paisagem com lagoas, dunas e pequenas ilhas que se espalham por todo seu litoral. As ondas convidativas de praias como a Joaquina, fazem com que a cidade seja palco de sucessivos campeonatos nacionais e internacionais de surfe. Praias com infra-estrutura de hotéis e restaurantes sofisticados, como Canasvieiras e Jurerê, dividem sua beleza com praias rústicas, como Campeche, Ponta dos Naufragados e Solidão.

Ao longo da costa, uma série de fortalezas, construídas para evitar a invasão de espanhóis e holandeses nos séculos XVI e XVII, são um marco histórico da colonização do Estado. Entre eles, a Fortaleza de Santa Cruz, na Ilha de Anhatomirim; a de São José da Ponta Grossa, entre as praias de Daniela e Jurerê, tombada pelo Patrimônio Histórico, e a de Santo Antônio, na Ilha de Ratones Grande. No Pântano do Sul, também no litoral, está a mais autêntica vila de pescadores da capital.

Colonizada inicialmente por portugueses da Ilha dos Açores, Florianópolis guarda muitos traços de seus primeiros anos. A pequena vila de Santo Antônio de Lisboa é uma mostra da arquitetura desse período e, em Ribeirão da Ilha, o mais antigo distrito da capital, os moradores ainda falam o dialeto açoriano, difícil de entender no primeiro momento. Em Ribeirão da Ilha fica a Igreja da Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão, uma construção de 1806. Lagoa da Conceição, com muitas dunas, restaurantes e vida noturna à beira do mar e onde mulheres tecem rendas de bilro e as vendem na rua, também preserva, em suas construções, muitos traços da arquitetura colonial.

O centro de Florianópolis, com suas ruelas, casarios típicos, igrejas e museus, guarda muitos exemplos da arquitetura açoriana. Entre eles estão o antigo palácio do governo, hoje Museu Cruz e Souza, nome dado em homenagem ao poeta catarinense que integrou o movimento simbolista, e o Mercado Público, construído em 1898, que à sombra de sua figueira centenária comercializa produtos alimentícios e o artesanato local. Próximo ao centro também fica a casa onde nasceu Victor Meirelles, um dos autores que retrataram a primeira missa rezada no Brasil. Na construção, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico, funciona o Museu Victor Meirelles.